quinta-feira, 10 de agosto de 2017

A Alma portuguesa não existe, diz a Saudade

se existe a alma dos povos ela não tem efeito determinante no curso da História, diz Nolte.

Sou católico mas sou ateu, diz Charles Maurras. Para Nolte esta simples frase resume toda a ideologia fascista:
O GOSTO PELA ORDEM,
NOSTALGIA DE UM PASSADO MÍTICO,
NEGAÇÃO DO ESPÍRITO CRÍTICO,
A RECUSA DA TRANSCENDÊNCIA,
A METAFÍSICA DE RECURSO

A REPUBLICA DA VUVUZELA, A demarquia dos sem recursos, diz Piropos
porque, no fundo de si mesmo, considera Rothbard, todo o intelectual partilha o ideal platónico do filósofo-rei. Além disso, no mercado do consumo, os serviços fornecidos pelos intelectuais não são muito procurados; o estado garante-lhes um mínimo de saídas

Não lhe posso fornecer provas, precisa Chomsky, só posso citar factos. Não há "provas" em ciência, só há factos. Só os matemáticos "provam"


Os nossos intelectuais são o grande fracasso da América Latina, diz Octavio Paz, nunca reflectiram sobre os verdadeiros problemas do seu povo, foram inferiores à sua missão histórica.

Acredito que o cepticismo é um valor eterno que importa preservar, diz Isaiah Berlin, flutuamos num barco sem leme e ignoramos onde se encontra o porto: é preciso continuar a navegar



FONTE: Os Verdadeiros Pensadores do Nosso Tempo, Guy Sorman, ed. Inquérito, 1990

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Sou uma Virgem Precária, diz Prosa K

Não negue um amor que desconhece, diz Prosa K




agora percebo, diz prosa K, tanto bolsar de post de grande farra


Há quanto tempo não pesas os teus pesadelos?, diz Prosa K

Há quanto tempo não mudas a água aos teus sonhos mais húmidos?, diz Prosa K
Não negue um amor que desconhece, diz Prosa K



Um gajo não pode sair de casa assim que chega ao local do crime encontra os seus pensamentos por todos cantos e esquinas espalhados, diz Prosa K


Coisa nunca vista, por tudo e por nada têm dito desde que o Papa Francisco saiu do seu vaticano túmulo...dizem mesmo, com descarada heresia, que se peidou durante a benção das velas...peace and lova, Ómano, diz Prosa K







Perante tanto filho duma puta, se mãe fosse sua, preferiria tirá-lo do cu e meter-lho na boca, diz Prosa K Ente
Deixa-me, dar-te um beijo de morte! Quero fazer-te a vida negra!
Acabo de beber o meu próprio veneno afim de sobreviver ao teu
estou em Fátima na Cova da Iria a fazer um streapetease, diz Prosa K Ente Perante tanto filho duma puta, se puta fosse sua, preferiria tirá-lo do cu e meter-lho na boca, diz Prosa K Ente



O eterno feminino é a minha causa amante a caminho do eterno retorno o resto são vermes à volta do seu-cadáver de deus, diz Prosa K
ncisco saiu do seu vaticano túmulo...dizem mesmo, com descarada heresia, que se peidou durante a benção das velas...peace and lova, Ómano, diz Prosa K


Perante tanto filho duma puta, se mãe fosse sua, preferiria tirá-lo do cu e meter-lho na boca, diz Prosa K Ente
Deixa-me, dar-te um beijo de morte! Quero fazer-te a vida negra!



Acabo de beber o meu próprio veneno afim de sobreviver ao teu


estou em Fátima na Cova da Iria a fazer um streapetease, diz Prosa K Ente Perante tanto filho duma puta, se puta fosse sua, preferiria tirá-lo do cu e meter-lho na boca, diz Prosa K Ente




O amor, essa flor carnívora em greve de fome, diz Prosa K
agment--> ncisco saiu do seu vaticano túmulo...dizem mesmo, com descarada heresia, que se peidou durante a benção das velas...peace and lova, Ómano, diz Prosa K


Perante tanto filho duma puta, se mãe fosse sua, preferiria tirá-lo do cu e meter-lho na boca, diz Prosa K Ente
Deixa-me, dar-te um beijo de morte! Quero fazer-te a vida negra!
Acabo de beber o meu próprio veneno afim de sobreviver ao teu
estou em Fátima na Cova da Iria a fazer um streapetease, diz Prosa K Ente Perante tanto filho duma puta, se puta fosse sua, preferiria tirá-lo do cu e meter-lho na boca, diz Prosa K Ente







Francisco saiu do seu vaticano túmulo...dizem mesmo, com descarada heresia, que se peidou durante a benção das velas...peace and lova, Ómano, diz Prosa K


Perante tanto filho duma puta, se mãe fosse sua, preferiria tirá-lo do cu e meter-lho na boca, diz Prosa K Ente
Deixa-me, dar-te um beijo de morte! Quero fazer-te a vida negra!


Acabo de beber o meu próprio veneno afim de sobreviver ao teu
estou em Fátima na Cova da Iria a fazer um streapetease, diz Prosa K Ente Perante tanto filho duma puta, se puta fosse sua, preferiria tirá-lo do cu e meter-lho na boca, diz Prosa K Ente



Volt ermos ao fogo que ardem sem se ver, diz Prosa K
Fogo, Futebol e Falha humana, diz Prosa K

Acabado o luto, a luta continua, diz Prosa K



Não há nada a acrescentar diz Prosa K, para além de nada mais? mais nada há

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Correntes d'escroto

A Religião é um mito em decomposição procriador de mito-manias, diz Religiosa K, serve como paz e esta só se pratica com guerra, a mãe de todas elas e as suas vitimas: os migrantes, desalojados e refugiados tratados como despojos de guerra e turistas num paraíso artificiall que os inferniza


a culpa é do Mãe e todo o seu dele infantásbulo
narrativamente, diz Prosa K, curta e puta

Salamandra arde serenamente, diz Prosa K, o sono dos justos. Não é de admirar, depois de tantas visitas. Também estou cansada mas vou buscar mais um esqueleto ao armário. Ardem bem, não são como os livros. No outro dia tentei queimar o Mein Trump de Hitler e ele começou as berros que acordou a minha querida Salamandra. O Cagão fraldaslento. Não percebo como Pepe Carvalho conseguia?

Salamandra relata-me o seu encontro com a Pós-verdade que cá por casa passou para dois dedos de conversa, pois anda em processo de separação litigioso. O Real, o seu ex, isto. A Realidade, a nova musa, aquilo. diz Prosa K. Mas o pior é que não sabe como os seus filhos, os Factos Alternativos, irão sobreviver neste reino cruel, disse com as lágrimas nos olhos a saborear os biscoitos interrompidos.

Eutanásia acaba de sair, diz Prosa K, está com medo de morrer

Hoje não há diálogo, salamandra, só cabalas, diz Prosa K

Anjo filho da Mãe Preta a ser comido como manda a tradição portuguesa , diz Prosa K,


Come a minha carne e bebe o meu sangue e vai vomitar para outra freguesia, diz Prosa K

a revolução fode-me toda há uma semana que me desfaço em orgasmos múltiplos

a carneirada está toda consolada a lamber as feridas da maioria absoluta de sua majestade a Vil Baixeza
Tenho um rosário
arame 
farpado
 atravessado na garganta pós-fundamentalmente , diz Prosa K




sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

O Capitalismo está com falta de ar, diz Prosa K, metamorfoseando jornalistas em ardinas dos factos alternativos criados em cativeiro

Para quando o combate entre o Touro Enraivecido e Trump?, diz Prosa K Foto de António Sida Oliveira.

Allguém me empresta uma rede? Perdi a puta da minha com um tu varão lá dentro a gritar por socorro só corro sereia só corro!!! Bem, nunca na Puta da minha literária liteira vida me chamaram de mobi dique, diz Foda k Dass, ou mandem uma sns a dizer que estou na merda

Foto de António Sida Oliveira.

Deus,



 dá uma oportunidade a Ti mesmo se Te conheces e pensa melhor nisso se queres existir, diz Prosa K
Onde mora? no corredor da morte, respondo, cela sessenta e nove! Vou aí sem demora, diz com o coração aos saltos, estou a trezentos metros. Obrigado já te pedi como último desejo. Eu também te desejo muito, diz a cadeira eléctrica: Prosa K

Estou a queimar soutiãs, diz Prosa K e ouvindo a Madame Hammmm Hummm Huuuuuummmammm a pivetar televendendo um dois dois ummmm a nossa querida culturammm mmmm ammmmmmmmmmm



Exma. Senhora Prosa K,
Venho pelo presente e em nome do Senhor Presidente da Sociedade Portuguesa de Autores, comunicar que não é um dos nomeados para o Prémio Autores 2017, da categoria de Literatura - Melhor Livro de Ficção - "WTF", das Edições Mortas.


Quero ser escritor mas a SPA não me deixa, diz Prosa K, que tenho de ter mais chagas e aconselha-me a engajar-me mais com a leya



Foto de António Sida Oliveira.

A ler o diz cu nhecido, diz Prosa K
O jornalismo está com falta de ar, diz Prosa K, metamorfoseando jornalistas em ardinas dos factos alternativos criados em cativeiro


Quando o amor te pizza, diz Prosa K
A preparar um assalto à mulher mal amada, diz Prosa K
As pessoas gostam de nim, não tenho culpa, conclui, e diz Prosa K
Não sou ignorante, sou pós-verdadeira! E que pós pôs? O melhor, o mais verdadeiro e natural!, diz Prosa K
Estou com uma pilha de nervos entre as pernas, diz Prosa K, alguém precisa?


Tenho diarreia com o curso superior, moralmente bem formada e sexualmente madura, diz Prosa K, desculpem a interrupção mas tive de ir ao nabal despejar a eira, em conclusão, tenho diarreia biológica, biodegradável para dar e vender

Esta vida são duas rectas, diz Prosa K, e se uma está bloqueada por uma vida de merda, na outra, um choque em cadeia está a provocar uma prisão de mente

Enquanto há esperança, há Estado  Like, diz prosa k

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Alguém tem uma algália que me empreste?, diz Prosa K, a rata danificou a última pensando que era um livro LITERATURA LED a Liberdade é Fixe, diz Prosa K

à espera dum orgasmoFoto de Antónioponto Evirgula.
Trump faz-me um filho

A pele do diabo, diz Prosa K
É melhor ter um Inimigo que um Falso amigo do Povo, diz prosa K olhande em volta no Lar a terceira Via. É o fim dum negro ciclo onde vítimas de fogo amigo ninguém sabia onde parava o inimigo. Alguém arrota: todos pra américa e em força

Hoje não há poesya, diz Prosa, está uma noite boa para passar a ferro

Olha uma bola de merda, vamos dar uns toques pr'aquecer?, diz Prosa K



A salamandra zangou-se com o termómetro que não pára de descer. Diz que só pára no inferno. Momentos menos que zero Prosa K

e as putas-de-rua quem as abriga?, diz Prosa K, como diz o poema « fast food society» que "para beber algo quente têm de fazer um broche de borla"

dizputas russas

vai-lhes tapar ou arrancar o nariz (gogol, gogol) à nascença, diz Prosa K a fumar e a beber vodka com a sua barriga de aluguer à luz da Led transputa literatura

quem me conhece sabe a poesia faz-me gases, por vezes gosto do cheiro dos meus peidos
cheiram a rosas

É urgente dizpensar o love, diz Prosa k

É urgente dizpenalizar o amor, diz Prosa k

a Luta deve ser um constante pedido de desculpas, diz Prosa K

cá estou eu de novo depois de desertar da estado islámico ... ao abrirem a cova do pós-modernismo para enterrar o maio de sessenta e nove embrulhado com os jornais Charlie Hebdo, diz Prosa K

Quando acordo sou como o sol quando nasce, diz Prosa K

Abri as fronteiras a todos os energúmenos desamigados por delito de opinião, diz Prosa K

a Liberdade é Fixe, diz Prosa K


sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Libertária Prosa K decidi retirar-me para este maravilhoso convento e abrir o meu imundo coração ao mundo, bem-vindos


Num retiro estou retirada pronta a dar um tiro em todas as direções para melhorar a minha carreira, diz prosa k

quem me acordou, um tiro?, diz Prosa K

Pedi o livro de reclamações à noite, diz Prosa K

Chega de pornografia vou entrar em acção, passar das palavras aos actos, antes que a salamandra arrefeça, diz Prosa K

a ler na retrete, diz Prosa K

O meu ventre está preso por ter sido apanhado a ler na retrete, diz prosa k

A narrativa acabou agora de testemunhar que apanhara os sonhos numa lixeira junto dos bidões e como não há bidões para carne decidiu levá-los para casa depois de bem os observar e até chegou a um provar para se certificar da validade do prazo, diz Prosa K


Até quis oferecer um sonho ao saloio do sr Juiz que saiu a correr para vomitar, diz Prosa K, esperando que não seja apanhado a ler na retrete

Estou em prisão preventiva e impedida de me aproximar da retrete nem dos seus sonhos amerdalhar, diz prosa k

Mudo de penso, logo existo, diz prosa k

O meu actual estado, diz Prosa K, em prisão domiciliária e aproveitar para pôr os filmes porno em dia



A melhor e mais bela forma de observar o passado, diz Prosa K


Só escreve quem não tem c
oração, diz Prosa K

A minha imaginação está na urgência com o vírus da humanidade depois de longo tempo numa corrente de escrita, diz prosa k

mudas-me a algália?, baby diz Prosa K

absurdo absoluto, diz Prosa K


A tua carne é o meu verbo, diz Prosa K
O Real é o último a saber que a Realidade o trai, diz Prosa K
O linguado dos que não têm voz na matéria, diz Prosa K
quando de palavras suja, diz Prosa K, não tomo banho

Foto de Antónioponto Evirgula.O cuco não baladou a meia-noite. Ergo-me abro o relógio e uma coruja dev
ora o cuco como se uma alma fosse, diz Prosa K
Bati no fundo e tu não me abriste a porta, diz Prosa K
a vincar esteticamente precipícios éticos, diz Prosa K
A vida é um luxo que a morte despreza, diz Prosa K


Cão que ladra é porque ferrou a língua, diz prosa k
Caído no desemprego, o Elefante Branco, alternativou-se em babysitter, diz Prosa K

Acabam de me apontar uma arma, diz Prosa K, apontar é feio


Vendo a preço justo, diz prosa k, mas não dou o braço a torcer

Em cada post uma gaivota


Tenho queda para abismo
Como nova
Para vender à melhor proposta.


A alma do negócio coloca todos os seus segredos à venda, diz Prosa K


Tenha queda de cabelo
Para venda em bom estado de conservação
diz Prosa K

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

explosão de espinhos, diz Piropos

Estão perdoado João Paulo Segundo, diz Piropos, e papa-a, pois isso não foi feito só para mijar azeite:
























O Reino dos cEgos é semelhante a dez virgens que, tomando as suas algemas,
saíram ao encontro do noivo azeiteiro. 
Ora, cinco delas eram insensatas e cinco prudentes. As insensatas, ao tomarem as suas candeias, não levaram azeite consigo; 
enquanto as prudentes, com as suas candeias, levaram azeite nas almotolias.
Como o noivo azeiteiro
 demorava, começaram a dormitar e adormeceram. 

A meio da noite, ouviu-se um brado: 
Aí vem o noivo, ide ao seu encontro!
Todas aquelas virgens despertaram, então, e aprontaram as candeias.As insensatas disseram às prudentes: 
Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas candeias estão a apagar-se.' Mas as prudentes responderam: 'Não, talvez não chegue para nós e para vós. 
Ide, antes, aos vendedores e comprai-o.' Mas, enquanto foram comprá-lo, 
chegou o azeiteiro-noivo; 
as que estavam prontas entraram com ele 
para a sala das núpcias, e fechou-se a porta.

Mais tarde, chegaram as outras virgens e disseram: 
'Senhor, senhor, abre-nos a porta!
Mas ele respondeu: 'Em verdade vos digo: Não vos conheço.'
mijai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora.